Resgate e adoção de gatos

Resgate e adoção de gatos

Existem milhares de pequenos grupos que resgatam gatos e, de outra forma, fazem o que podem para os mesmos sem o benefício de qualquer abrigo. Muitas vezes eles fornecem esses serviços fora de suas próprias casas. Muitas dessas organizações são excelentes fontes para a adoção de gatos como animais de estimação.


Geralmente constituídos por voluntários dedicados, esses grupos resgatam e domesticam gatos selvagens e gatinhos sem mãe, além de encontrar casas para gatos que precisam delas. Muitas vezes, eles também arrecadam dinheiro para ajudar a neutralizar e esterilizar os gatos das pessoas (muitas vezes os idosos ou aqueles com renda fixa) que não podem pagar os custos de fazer isso para seus animais de estimação.



Esses grupos preenchem uma necessidade vital. Alguns são especializados em gatos que são difíceis de adotar, ou aqueles que por várias razões, os maiores geralmente, não aceitarão gatos difíceis de serem adotados. Alguns são muito velhos, deficientes ou talvez muito selvagens para serem adotados na maioria das casas. Com muito amor e paciência, muitos desses grupos podem transformar esses gatos em animais de estimação adequados para pessoas que entendem as necessidades especiais desses gatos.


Existem organizações que se chamam de “abrigos sem morte” que são muito controversos na comunidade de resgate e adoção de gatos. A maioria dos abrigos tem muitos gatos, mais do que podem manter e entregar para outra pessoa. Uma consequência infeliz é que isso acaba na morte de milhões de gatos por ano. Abrigos sem morte se recusam a pegar gatos que não são adotáveis. Os gatos que são afastados são então enviados para outros abrigos, onde são mortos. Este é o duro cenário dos gatos de rua.



Se você quer adotar um gato, ficamos felizes em saber disso, mas há algumas coisas que você precisa levar em consideração antes de colocar um gato dentro de casa.


Perguntas a serem feitas antes de adotar


Antes de sair e procurar seu gatinho ou gato, primeiro considere suas necessidades, expectativas e estilo de vida. Pergunte a si mesmo estas coisas:



1. Você está em casa durante o dia? Caso contrário, você pode querer um gato adulto, já que os gatinhos precisam de mais atenção.


2. Você pode pagar um gato? Você precisa pagar taxa de adoção, comida, lixo e cuidados veterinários.


3. Você tem tempo para se dedicar ao seu gato / gatinho? Eles precisam de atenção e amor.


4. Você está pronto para um compromisso de longa data? Os gatos vivem para ter 15-20 anos de idade.


5. Você tem tempo para cuidar do seu gato / gatinho? Como para alimentar, exercitar brincar, cortar as unhas e trocar lixo diariamente?


6. Você tem espaço adequado para um gato?


7. Você é alérgico a gatos?


Ao responder estas perguntas você vai ter uma noção se realmente está pronto para adotar um gato ou não.


A superpopulação de gatos


Em todo o mundo, há uma sobrepopulação de gato em curso. Em diversos lugares, esses gatos são recolhidos e mortos, às vezes, por meios muito cruéis. Somente nos Estados Unidos, mais de seis milhões de gatos são mortos a cada ano.


Algumas cidades, no entanto, abraçam seus gatos como boa fortuna. Em Roma, se uma gatinha nascer na porta de um Romano, por lei  o animal tem o direito de viver em sua propriedade. Os gatos romanos são tão famosos quanto as ruínas romanas onde vivem na maior parte. As senhoras idosas cuidam desses animais e o governo faz com que um veterinário os visite frequentemente para esterilizar, neutralizar e vaciná-los. Os gatos até têm caixas de areia aqui e ali entre as ruínas. Afinal, os romanos sentem que devem a esses gatos cujos antepassados, em algum momento da antiguidade, foram trazidos do Egito para livrar a cidade dos ratos.



Infelizmente, nem todas as cidades são tão civilizadas quanto Roma e nenhum funcionário público faz uma grande questão de salvar a vida de gatos perdidos. Em nosso país, os gatos perdidos são cuidados, mas de forma negativa, porque os funcionários da cidade não querem que os gatos sejam um problema público que põe em perigo a saúde da população humana. Algumas organizações humanitárias de resgate, no entanto, pegam esses gatos e coloca-os para adoção.


No geral, o futuro dos gatos abandonados está nas mãos de ONGS que resgatam esses animais e viabilizam o processo de adoção.


 


Conclusão


Como você pode ver, a superpopulação de gatos de rua é um problema comum em diversos países, o Brasil não é exceção. Se quer realmente adotar um gato, primeiro certifique-se de que tem o que é necessário para cuidar do animal da melhor forma possível, feito isso, basta se dirigir a um abrigo de gatos e então literalmente salvar um deles.


Envie seu comentário